Quarta, 17 de Agosto de 2022
Bolsa-Caminhoneiro

Governo quer 'bolsa-caminhoneiro' para adiar crise dos combustíveis em ano eleitoral, avalia Alvaro Gribel

Segundo colunista do jornal 'O Globo', restam a Bolsonaro poucas alternativas para evitar que as contas públicas saiam do controle em 2022

30/05/2022 às 09h48
Por: Redação Fonte: G1
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Diante da perspectiva de desabastecimento do diesel prevista para o segundo semestre deste ano pelo Conselho de Administração da Petrobras, o governo Bolsonaro vem "girando em círculos" para prevenir que a crise dos combustíveis comprometa o ano eleitoral.

 

É o que avalia o o colunista do jornal "O Globo" Alvaro Gribel em entrevista a Renata Lo Prete. No episódio #716 do podcast O Assunto, ele e o economista Fernando Camargo discutem o custo da crise para a relação entre Bolsonaro e os caminhoneiros.

 

 

"O que o governo está tentando fazer agora é dar uma bolsa-caminhoneiro, um vale que teria um custo de R$ 1,5 bilhão - uma coisa que poderia ser acomodada no orçamento para que você consiga de novo empurrar esse problema até depois das eleições", explica.

 

"Uma paralisação seria péssima para a tentativa de reeleição de Bolsonaro, mas não são muitas as opções que ele tem. A gente vive um problema de escassez do diesel e ele está tentando essa solução de dar uma bolsa no valor de cerca de R$ 400. [ O valor] poderia ser acomodado dentro do orçamento e dentro das regras fiscais que o Brasil tem - a lei de responsabilidade fiscal e também a regra do teto de gastos. Se fosse dar um subsídio muito grande, Bolsonaro ficaria preso por essas essas duas amarras que o país tem para tentar evitar que as contas públicas saiam totalmente do controle."

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários