Domingo, 25 de Outubro de 2020 22:26
61 99574-8903
Mercado Companhias aérea

Projeto ajuda a mudar a regra da aviação no Brasil e possibilita economia para companhias aéreas

Pesquisa foi desenvolvida por alunos da Certificação Internacional Aviation Management, promovida pelo SEST SENAT e coordenada pelo ITL

28/05/2020 19h00
Por: Redação Fonte: Agência CNT
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Um projeto desenvolvido por quatro estudantes da Certificação Internacional Aviation Management, curso promovido pelo SEST SENAT, coordenado pelo ITL (Instituto de Transporte e Logística) e ministrado pela Embry-Riddle Aeronautical University, levou a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) a mudar um requisito relacionado à reserva de contingência de combustível, medida que pode economizar milhões de dólares por ano às companhias aéreas do país.

"Não é todo dia que um regulador pode mudar algo assim", disse Diogo Youssef, que se uniu a Fabiano Gomes, João Centeno e Luciano Oliveira para criar o projeto inovador. "Estamos muito orgulhosos do que fizemos."

Leila Halawi, professora associada e presidente do Programa de Mestrado em Aviação e Sustentabilidade Aeroespacial, trabalhou com os alunos durante 16 semanas no projeto e relembra como eles estavam determinados a ter sucesso.

Os alunos se concentraram no combustível que é necessário estar a bordo do avião para cada viagem. Os regulamentos exigem que uma certa quantidade de combustível seja transportada como contingência, caso o clima ou outras questões forcem os pilotos a se desviarem das rotas originais, o que faz aumentar o combustível total queimado para chegar ao destino.

O padrão da ICAO (Organização Internacional da Aviação Civil, na sigla em inglês) exige que os voos tenham 5% de combustível de contingência. Mas o Brasil nunca adotou esse padrão, obrigando os voos operados pelas transportadoras brasileiras a levarem 10% como reserva a bordo. "Isso colocou as companhias aéreas do Brasil em desvantagem competitiva", disse Youssef.

Como os alunos do grupo trabalham em operações de voo e entendem quanto dinheiro é gasto em QAV (querosene de aviação), eles decidiram ver se o combustível extra era realmente necessário. "Queríamos usar o poder acadêmico da Embry-Riddle para provar que era possível mudar para o requisito para 5%", disse Youssef. "Nossas aulas, nossos professores e as ferramentas que pudemos usar representaram uma grande oportunidade para nós".

O grupo coletou dados de quase 300 mil voos das principais companhias aéreas do Brasil durante o ano passado. Na disciplina de Business Intelligence, aprenderam como usar os dados históricos para executar simulações e verificar quanto combustível foi usado e quanto restaria caso o requisito de reserva de contingência fosse alterado de 10% para 5%.

"Não foi fácil", disse Youssef. "Foi muito trabalhoso, porque às vezes a execução das simulações levava de quatro a seis horas - e levava quatro dias apenas para fazer as simulações".

Depois, foram cerca de 1 milhão de voos simulados, com análise de dados agrupados por duração, a fim de verificar quanto combustível foi usado e quanto restava após a conclusão das viagens.

Os quatro estudantes descobriram que, usando a reserva de 5%, não havia um único caso em que um avião brasileiro tivesse pousado com menos combustível do que a lei exigia. Eles perceberam que essa revelação tinha o potencial de economizar às transportadoras brasileiras cerca de US $ 6,5 milhões em despesas de combustível a cada ano.

Os quatro estudantes, que entraram em contato com reguladores da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e apresentaram suas conclusões em dezembro. Em janeiro, a agência anunciou a mudança na regulamentação do Brasil para permitir 5% como a linha de base mínima para operações seguras, que entrou em vigor em 1º de abril.

Oliveira disse que a qualidade das simulações e os dados também ajudaram a resolver as preocupações levantadas pelo sindicato de pilotos do país sobre a redução do requisito. "Nossos números eram fortes e provaram que era seguro", disse ele.

O fato de o projeto ter o nome Embry-Riddle também contribuiu. "Há muito peso nisso", disse Oliveira, acrescentando que o apoio de seus professores também os ajudou a atravessar os muitos pontos difíceis que atingiram durante o projeto.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.