Sábado, 23 de Janeiro de 2021 16:24
61 99574-8903
Mulheres na Boleia Europa

Caminhoneira leva a garra e a coragem brasileira para desbravar estradas da Europa

Luiza Silva enfrenta neve e chuva ao lado do marido, que também é caminhoneiro, para dar uma vida melhor às suas filhas

08/08/2020 00h21 Atualizada há 4 meses
Por: Camila Pimentel
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Dirigir caminhão é um sonho para muitos motoristas, no entanto, muitas pessoas além do sonho também vislumbra uma oportunidade de dar uma qualidade de vida melhor para a família. E isso foi o que motivou o casal Luiza e Artur Silva, que estão casados há 21 anos e tem duas filhas de 21 e 17 anos, a engajarem com toda força, garra e coragem no segmento de transportes. “Minha família é a base e o meu tudo. É por ela que venço todos os meus medos e faço de tudo para alcançar os nossos objetivos”, fez questão de destacar a caminhoneira Luiza Silva.

Hoje eles moram na cidade de Seixal, em Portugal, e trabalham dirigindo caminhão por toda a Europa. O sonho foi realizado e concretizado em dobro!

O casal é natural da cidade de São Sebastião da Amoreira, no Paraná e Luiza afirmou que muitos foram os motivos que levaram eles com destino à Europa. “Ao ter nossas filhas começamos a perceber as dificuldades que estávamos passando. Por exemplo, ter medo que a nossa casa simples de madeira fosse destruída pelos vendavais e temporais típicos do Sul do Brasil, e isso podia nos levar a perder nossas vidas. E outras situações que nos impediam de oferecer o melhor para elas, por isso, decidimos mudar para Portugal”, ressaltou Luiza.

Atualmente o casal trabalha na Primafrio, empresa global de transporte frigorífico terrestre, e estão sempre juntos, pois trabalham dirigindo o mesmo caminhão. Eles revezam a direção a cada nove horas de trabalho. Luiza também contou como foi a primeira viagem pelas estradas europeias. "Minha primeira viagem foi saindo de Portugal para Polônia, passei por quatro países até lá chegar. Estava tranquila e maravilhada. Mas na volta, em direção à Espanha choveu muito e aí eu fiquei desesperada, ainda mais numa descida íngreme com curvas acentuadas em que estava muito difícil manter o controle do caminhão, que estava carregado", relatou a caminhoneira.

Luiza disse ainda que cada um deve fazer quatro horas e meia na direção do caminhão, totalizando 18 horas por dia para os dois. Ou seja, nove horas de trabalho diariamente. “Enquanto ele dirige quatro horas e meia eu descanso e quando sou eu na direção ele descansa. Temos ainda pausas de 24 e de 45 horas, que são obrigatórias. E, assim vamos seguindo o nosso caminho”, afirmou.

Sobre os desafios ela cita a saudade de casa, o perigo de ser assaltada, o medo de perder a vida, a chuva e a neve. Eles atravessam o continente, então, são muitas as dificuldades que encontram a cada viagem. 

E em relação ao cotidiano do casal ela diz que geralmente ao sair da cidade que moram seguem rumo a Espanha. “Passamos entre 15 e 25 dias fora. Viajamos por diversos países e em cada um deles há novos desafios, como por exemplo a língua! Cada viagem é um aprendizado. Temos que fazer pausas de descanso variadas, e aí aproveitamos para descansar, cozinhar e se der passear um pouquinho”, destacou Luiza.

Luiza também garante que é feliz na sua profissão. “Sou apaixonada pela minha profissão. Além disso, gosto muito de incentivar as mulheres a andar com os maridos. No nosso caso fortaleceu a relação”, disse Luiza.

 E, para mostrar o cotidiano e a realidade das estradas da Europa, o casal criou um canal no Youtube, o “Luh Silva”, lá você encontra os desafios da vida de um casal motorista de caminhão, por todo continente europeu.

Siga o Portal On Truck nas redes sociais. Estamos no FacebookInstagram e Linkedin. Acompanhe também os nossos vídeos em nosso Canal no Youtube e receba as notícias diárias em nosso Grupo de WhatsApp.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.