Sábado, 08 de Maio de 2021 14:12
61 99943-0207
Tecnologia Tecnologia

USP desenvolve tecnologia que reduz ruído de aviões em 20%

Resultados geraram três patentes internacionais

20/03/2021 14h25 Atualizada há 2 meses
Por: Redação Fonte: EBC
© Rovena Rosa/Agência Brasil
© Rovena Rosa/Agência Brasil

Pesquisadores do Departamento de  Engenharia Aeronáutica (SAA) da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da Universidade de São Paulo (USP) desenvolveram modificações na geometria das asas de avião que fizeram com que o ruído das aeronaves diminuísse em aproximadamente 20%.

Segundo a USP, as soluções são baratas, de fácil aplicação e deixam o nível de ruído externo abaixo dos futuros limites planejados pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI). As mudanças, desenvolvidas em parceria com a Embraer, podem ser implementadas tanto em aviões que já estão em operação como em projetos de novas aeronaves. De acordo com a USP, os resultados obtidos no trabalho geraram três  patentes internacionais.

De acordo com os pesquisadores, as modificações foram feitas na parte frontal da asa, nos chamados slates – abas móveis que aumentam a sustentação do avião no ar – e na região traseira, na ponta dos flaps, que também auxiliam na sustentação da aeronave, principalmente nas etapas de decolagem e aterrissagem. 

“Nos ensaios, nós propusemos alterações no modelo da asa original para que, no momento em que o flap é acionado, uma espécie de borda fique exposta, resultando na redução de seis decibéis do ruído gerado. Também foram propostas modificações na geometria dos slates, reduzindo ainda mais o ruído emitido” destacou o professor e coordenador do estudo, Fernando Catalano.

No Brasil, os principais atingidos pelos ruídos dos aviões são os vizinhos do aeroporto de Congonhas, na capital paulista. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o ruído aeronáutico excessivo pode causar efeitos adversos sobre a saúde população. 

Segundo a USP, o ruído intenso é capaz de provocar problemas de saúde, como o aumento dos batimentos cardíacos e pressão sanguínea, desencadeando complicações cardiovasculares. A perturbação do sono também é outro agravante, que pode aumentar as chances do aparecimento de distúrbios de saúde mental, como depressão e ansiedade.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.