Domingo, 13 de Junho de 2021 06:04
61 99943-0207
Geral Pará

Detran quer conscientizar para evitar mortes no trânsito

Uso do celular, consumo de álcool, excesso de velocidade são os fatores que mais causam acidentes

06/05/2021 07h21 Atualizada há 1 mês
Por: Redação Fonte: Secom Pará
Foto : Reprodução/Agencia Para
Foto : Reprodução/Agencia Para

A campanha ‘Maio Amarelo: imprudência no trânsito deixa marcas’, realizada pelo Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran), quer reforçar a fiscalização e ações de prevenção que possam ajudar a evitar acidentes. 

O movimento nasce com uma só proposta: chamar a atenção para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. Ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil, tem como objetivo colocar em pauta o tema da segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos: órgãos de governos, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada para efetivamente discutir o tema, engajar-se em ações e propagar o conhecimento, abordando toda a amplitude que a questão do trânsito exige em diferentes esferas. 

Estatísticas- Para se ter uma ideia da importância do tema, em 2020, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) recebeu 4.562 pacientes vítimas de acidentes de trânsito. Em 2019, foram 4.367 vítimas da imprudência nas vias paraenses. Os principais acidentes são causados por colisões de automóveis, com motocicletas e atropelamentos. 

Em 2019, foram admitidos 1.622 pacientes entre 15 e 29 anos vítimas de acidentes de trânsito na unidade. Já em 2020, no mesmo período, o Metropolitano registrou 1.802 atendimentos de pacientes na mesma faixa etária.

De janeiro a março de 2021, o Hospital Metropolitano recebeu 997 pacientes vítimas de acidentes de trânsito. No mesmo período de 2020, foram 1.039 vítimas da imprudência nas vias paraenses, ou seja, uma queda de 4,04% desse tipo de atendimento.

No ano de 2019, o HMUE registrou 173 óbitos de pacientes vítimas de trânsito entre 15 e 29 anos. No ano seguinte, em 2020, foram 189 óbitos na mesma faixa etária.

O diretor do Detran, Marcelo Guedes, inclusive explica que os dados podem estar defasados, já que o Ministério da Saúde (MS) só atualiza os dados no meio do ano.

"Só agora em junho o MS vai consolidar os dados de 2019. Para 2020 os dados são provisórios até julho, agosto de 2020, não são consolidados. Isso inclusive tem a ver com o tempo de internação, às vezes a vítima sofre um acidente morre 30, 50 dias depois. E é preciso averiguar se essa morte teve como causa o sinistro ou outra complicação. Até por isso é difícil a gente fazer uma avaliação real do efeito da campanha", explica o gestor.

Motivos- Os fatores que mais causam acidentes são: uso do celular, consumo de álcool, excesso de velocidade, vulnerabilidade no trânsito, e no caso de motos, falta do uso de capacete.

Informações do MS mostram que os acidentes no trânsito deixaram mais de 1,6 milhão de brasileiros feridos nos últimos dez anos, e representaram um custo de cerca de R$ 2,9 bilhões para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Por Carol Menezes (SECOM)
Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.