Sábado, 24 de Julho de 2021 02:37
61 99943-0207
Política Infraestrutura

História do DNIT em São Paulo é marcada pela gestão dos modais rodoviário, ferroviário e aquaviário

Confira os detalhes da matéria

13/05/2021 15h44 Atualizada há 2 meses
Por: Redação Fonte: DNIT
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

ASuperintendência Regional do DNIT em São Paulo teve sua sede implantada no início da década de 1960, na altura do Km 230 da BR-116/SP-RJ, mais conhecida como Via Dutra – e à época da sua implantação, denominada BR-2.

Foto_aérea_Superintendência.jpeg

Vista aérea da Superintendência Regional do DNIT em São Paulo

O prédio sediava o 8º Distrito Rodoviário do extinto DNER (sucedido pelo DNIT em 2001). Como fato marcante de sua história, destaca-se que em 15/11/1967, o local recebeu a visita do então Presidente do Brasil, General Arthur da Costa e Silva por ocasião das obras de duplicação rodoviárias entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Via_Dutra_Anos_70_1.jpegVia_Dutra_Anos_90_1_(1).jpegVia_Dutra_Anos_90_2.jpegVia_Dutra_Anos_90.jpeg

Obras na Via Dutra entre os anos 70 e 90

A Superintendência do DNIT-SP conta, em 2021, com 72 agentes públicos em serviço, entre servidores e terceirizados que prestam apoio administrativo, limpeza, condução de viaturas e segurança.

Superintendência_2019-3.jpeg

Foto atual da fachada da Superintendência Regional do DNIT em São Paulo

A sede da autarquia no Estado é responsável pelo planejamento e gerenciamento de vias terrestres e navegáveis. Trata-se de uma das poucas unidades regionais que jurisdiciona infraestrutura de transportes nos modais rodoviário, ferroviário e hidroviário.

Além de projetos de novas rodovias e transposições ferroviárias, o DNIT-SP executa a manutenção e a supervisão dos ativos, incluindo-se a operação da hidrovia Tietê-Paraná e suas eclusas, tarefa bastante desafiadora.

Unidades Locais

Taubaté - Quanto à Unidade Local de Taubaté, foi instalada também em meados de 1960 pelo antigo DNER, para servir de apoio aos serviços rodoviários na região. A UL de Taubaté está localizada em um ponto estratégico no Estado de São Paulo, próximo ao km 113 da Rodovia Presidente Dutra, o que facilita o trabalho de seus servidores nas rodovias localizadas no Vale do Paraíba e Litoral Norte.

Placa_Via_Dutra.jpeg

Placa de inauguração da Via Dutra

Desfile_DNER_-_Anos_70_(1).jpeg

Participação do então DNER em desfile cívico

Atualmente, estão lotados na UL sete servidores, entre engenheiros, analistas, técnicos e agentes de trânsito. A equipe também conta com o apoio de funcionários terceirizados como secretárias, auxiliar da limpeza e vigilantes.

As principais atividades da UL são manutenção e conservação rodoviárias, manutenção da faixa de domínio, operações rodoviárias, apoio à Superintendência em processos judiciais, inventariança ferroviária, obras de emergência, manutenção de arquivo físico e atendimento ao cidadão.

Entre as rodovias sob jurisdição da UL/Taubaté estão a BR-101/SP – Governador Mário Covas – Ubatuba, BR-459/SP – Lorena/Itajubá – Piquete/Lorena e a BR-488/SP – Anel Viário de Aparecida.

Histórico da BR-116/SP-RJ (Via Dutra)

Registro - A Residência do DNIT na rodovia BR-116/SP – Régis Bittencourt é localizada na cidade de Registro/SP. Mais conhecida como Rodovia Régis Bittencourt, a estrada foi implantada em janeiro de 1961 e assim nomeada em homenagem ao engenheiro do DNER que exerceu função de chefia no órgão, durante a década de 1950.

A rodovia BR-116/SP, antiga BR-2, foi construída no período de 1957 a 1961, pela Comissão Especial de Construção, CEC-BR-2. Após a extinção da citada Comissão, foi criada a Residência de Conservação e Fiscalização denominada R-8/5, com sede na cidade de Registro, tendo sido criados também três núcleos de Conservação, situados nas cidades de Juquitiba NC-1, Miracatu NC-2 e Barra do Azeite (Distrito de Cajati) NC-3.

ulregistro_-Planta_BR-116-SP-PR_pt_1.jpeg.jpg ulregistro_-_Planta_BR-116-SP-PR_pt_2.jpeg.jpg

Plantas da BR-116/SP-PR

A Residência exercia os serviços de fiscalização e conservação direta da rodovia. Possuía no seu início mais de 400 funcionários, distribuídos nesses 4 pontos, e na época contava com máquinas de terraplenagem, tais como tratores de esteira, pás carregadeiras, motoniveladoras, caminhões basculantes, caminhões de carroceria, além de uma usina de asfalto à quente e uma de asfalto à frio, pugmill.

A fiscalização dos serviços de restauração e melhoramentos que sucederam a construção era toda feita por funcionários da residência, que dispunha de equipe de topografia e de laboratório.

A conservação era também feita por pessoal próprio, e as máquinas de terraplenagem executavam serviços de remoção de barreiras e recomposição de aterros, acidentes comuns na região, que a época era atingida por chuvas intensas e incessantes, que danificavam o solo da região, de pouca coesão, característico da Serra do Mar, região atravessada pela rodovia.

A Residência abrangia o trecho da rodovia compreendido entre os quilômetros 15 e 304 antigos, atuais km 268,9 (Taboão da Serra/SP) e 568,6 (Divisa SP/PR), tendo agregado o subtrecho inicial entre os quilômetros 15 e 23 que eram da jurisdição do DER/SP.

O primeiro engenheiro residente foi o Eng. Fernando Abott Coelho, que chefiou a Residência desde a sua criação até o ano de 1968, quando foi substituído pelo Eng. Jorge Alberto de Sousa Gonçalves, que administrou até o ano de 1970, quando assumiu o Eng. Domingos Carlos Guedes, que permaneceu nesse cargo até o ano de 1990, quando a rodovia BR-116/SP-PR passou a ser administrada pelo DER/SP, órgão estadual.

Em 1995, a gestão da via foi devolvida ao DNER, tendo assumido o cargo de chefia o Eng. Ademir Marques, que o ocupa até a presente data.

A Residência R-8/5, passou posteriormente a ser designada por RR-8/5 e depois, já sob administração do DNIT (pós-2001), como Unidade Local do DNIT, em Registro/SP. No local, trabalham cinco agentes, que exercem apoio na fiscalização de obras e serviços de engenharia contratados pelo DNIT-SP em todo o estado.

Rodovia_Régis_Bittencourt_1.jpeg

Foto aérea de trecho da Rodovia Régis Bittencourt

Bauru - A Unidade Local de Bauru colabora diretamente com o Núcleo de Administração Ferroviária do DNIT-SP, promovendo a guarda de acervo documental, prestando apoio em vistorias dos bens móveis e imóveis de propriedade da autarquia, espalhados pelo estado, auxiliando nos processos de destinação desse patrimônio às instituições interessadas e fazendo interlocução com órgãos judiciais e o Ministério Público, nas demandas que envolvam o acervo ferroviário.

Estação_atual_1.jpeg estação_atual_4.jpeg

Fotos históricas da estação de Bauru

 

Foto_da_antiga_e_atual_instalação_da_UL_de_Bauru_8.jpeg

Foto histórica da instalação da UL de Bauru

São José do Rio Preto - A Unidade Local de São José do Rio Preto, desde 2018, funciona em novas e modernas instalações no referido município. Até então, ocupava um imóvel cujo terreno era compartilhado com outras entidade públicas federais, como o Ibama e a PRF. Conta, atualmente, com 5 agentes, dos quais 3 servidores, que executam a fiscalização das rodovias situadas no norte e noroeste de SP, tais como a BR-153 (que, embora concedida, possui obras do DNIT em andamento), a BR-158 e a BR-262.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.