Sexta, 22 de Outubro de 2021
Saúde Covid-19

Transportadoras enfrentam desafios com diferenças no transporte da vacina da Pfizer

Transporte da vacina estrangeira contará com maior grau de complexidade e menor tempo

17/06/2021 às 09h09 Atualizada em 17/06/2021 às 11h08
Por: Redação Fonte: Setcesp
Compartilhe:
Transportadoras enfrentam desafios com diferenças no transporte da vacina da Pfizer

Após longa negociação, o governo brasileiro chegou a um acordo com a Pfizer para a vinda das vacinas desenvolvidas pela farmacêutica em parceria com a empresa alemã BioNTech, com previsão de distribuição entre abril e setembro.

Até o momento a vacina em circulação no Brasil é a Corona Vac, que já bateu a entrega de 25 milhões de doses por meio da parceria entre o Instituto Butantan, o governo do Estado de São Paulo, a transportadora West Cargo e o Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região (SETCESP). Apesar do alto número da vacina brasileira, a chegada da vacina da Pfizer ao país representa um desafio para as transportadoras por conta das particularidades na logística da imunizante estrangeira.

Em conversa com o diretor da Especialidade de Transporte de Produtos Farmacêuticos do SETCESP, Gylson Ribeiro, a maior preocupação é a temperatura do transporte e armazenamento da vacina da Pfizer. “Após fabricada a vacina deveria ser armazenada em -70ºC, foi assim que começou a ser distribuída no mundo e a Pfizer até desenvolveu um contêiner específico para fazer o transporte disso. Entretanto, isso gera uma grande dificuldade porque o consumo deve ser rápido, a partir do momento em que a dose é retirada do compartimento. Muitos poucos equipamentos aguentariam a temperatura inicial de -70ºC, que eu tenho conhecimento, são raras as empresas no país que possuem esse tipo de equipamento, o que limitaria a distribuição desta vacina para os grandes centros brasileiros que teriam condições de manter o insumo na condição original”.

Apesar da dificuldade atual no Brasil com esta logística, a Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, emitiu a autorização do armazenamento da vacina em temperaturas consideradas normais, entre -15ºC e -25ºC, por até duas semanas sem perder a eficácia. Após este prazo, a vacina perde seus valores imunizantes, complicando a logística de transporte, armazenamento e aplicação, que devem ser feitos em apenas 15 dias.

O presidente do Conselho Superior e de Administração do SETCESP, Tayguara Helou, enfatiza a necessidade de organização minuciosa na ocasião da vinda da vacina da Pfizer para o Brasil. “Teremos nas mãos uma carga de extrema importância, que requer cuidado redobrado, sem contar da rapidez e eficiência necessária para o sucesso da operação. Caso o Brasil se adeque às novas normas da FDA e autorize o armazenamento em temperaturas maiores, o planejamento e a logística terá de receber maior atenção”.

 

 

 Siga o Portal On Truck nas redes sociais. Estamos no Facebook, Instagram e Linkedin. Acompanhe também os nossos vídeos em nosso Canal no Youtube e receba as notícias diárias em nosso Grupo de WhatsApp.  

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários