Terça, 07 de Dezembro de 2021
Geral Greve

Greve de caminhoneiros pode ter aumento em dezembro

Diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística afirma que uma nova assembleia será convocada no dia 11 em Canoas, no RS

13/11/2021 às 09h27
Por: Redação Fonte: Yahoo
Compartilhe:
Foto: Reprodução Internet
Foto: Reprodução Internet
  • Categoria se reunirá no dia 11 de dezembro para debater rumos do movimento

  • Principal reinvindicação da categoria é a diminuição do preço dos combustíveis

  • Política de preços da Petrobras é um "câncer", segundo Wallace Landim

 

A greve dos caminhoneiros iniciada no início do mês, dia 1º de novembro, não obteve a adesão esperada pela categoria em território nacional. Apenas em Mato Grosso as paralisações tiveram engajamento suficiente para se fazer notar.

 

Contudo, em meados de dezembro a greve pode se intensificar por todo território nacional, afirmam lideranças do setor.

 

Diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), Carlos Alberto Litti, afirma que uma nova assembleia será convocada no dia 11 em Canoas, no Rio Grande do Sul, e que isso pode reacender os ânimos dos caminhoneiros desfavoráveis ao governo.

 

Já Chorão, como é conhecido Wallace Landim, presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), disse estar articulando a greve em outros estados e junto de outras categorias de transporte, como motoristas de aplicativo.

 

“Converso com os setores porque a pauta de combustíveis é uma pauta de toda a sociedade, não apenas dos caminhoneiros. Trabalho para que todos os setores tenham o mesmo pensamento, e isso vai acontecer naturalmente porque vai ter mais aumento dos combustíveis”, disse.

 

O que querem os caminhoneiros

 

A principal reivindicação da categoria é relacionada ao preço dos combustíveis. O diesel, por exemplo, já sofreu um reajuste de 65,5% desde o início deste ano.

 

Atualmente, a política de preços praticada pela Petrobras (chamada de Política de Paridade de Preços ou PPI), atrela o preço do petróleo no mercado nacional àquele praticado no mercado internacional, em dólar.

 

O governo Bolsonaro ofereceu a criação de um auxílio-diesel. No entanto, a solução apresentada não agradou a categoria.

 

“Temos um câncer: a PPI, que vincula o preço do combustível ao dólar. Mas nós não ganhamos em dólar. Precisamos que o governo tenha sensibilidade. Ficou claro que não querem desvincular o PPI. Lugares para mexer existem, mas o Ministério da Economia trabalha para os acionistas e leva o setor de transportes ao colapso”, argumentou Chorão.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários