Domingo, 29 de Maio de 2022
Curiosidades Parados

Por teste de covid, 2 mil caminhoneiros estão parados na fronteira chilena

Por causa da mudança nas diretrizes sobre testes de covid-19 para ingresso em território chileno, cerca de 2 mil caminhoneiros brasileiros estão parados na fronteira da Argentina com o Chile

26/01/2022 às 08h02 Atualizada em 26/01/2022 às 08h09
Por: Redação Fonte: UOL
Compartilhe:
Foto: Reprodução Internet
Foto: Reprodução Internet

Por causa da mudança nas diretrizes sobre testes de covid-19 para ingresso em território chileno, cerca de 2 mil caminhoneiros brasileiros estão parados na fronteira da Argentina com o Chile. Alguns se mantêm no mesmo lugar há 15 dias, em situação difícil. Segundo os motoristas, a aduana chilena deixou de fazer testes de covid-19 por amostragem e passou a testar todos os caminhoneiros. A infraestrutura sanitária do Chile não está dando conta da demanda.

 

Além dos caminhoneiros brasileiros, estão na mesma situação profissionais da Argentina, Paraguai, Bolívia e os próprios chilenos, em um total estimado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL) em 5 mil caminhões.

 

"Antes os testes de covid-19 eram feitos por amostragem, só com alguns caminhoneiros. Agora, todos têm que fazer, já que eles não consideram a testagem feita no Brasil e na Argentina", explicou à coluna Marco Antonio Fischer, caminhoneiro que tem 67 anos de idade e 48 de profissão. Ele está há dez dias parado na fronteira da Argentina com o Chile.

 

Outro motorista brasileiro que está na mesma situação é Selmar Santa Catarina, que chegou em Mendoza, na Argentina, na segunda-feira (17), e está parado desde então. "Os caminhoneiros estão ajudando uns aos outros, mas essa situação não pode demorar muito mais", diz ele. "O ideal é que o teste fosse feito aqui no lado argentino".

 

 

Por causa dessa nova diretriz, o fluxo naquele trecho, que era de até 900 caminhões por dia, não passa agora de pouco mais de 100 veículos. Por conta disso, o governo argentino decidiu impedir que os caminhões cruzem a fronteira até que o problema seja resolvido, para evitar que os motoristas fiquem retidos no meio da estrada, em situação dramática, sem infraestrutura de apoio.

 

"Estamos tentando que o ministro Tarcísio de Freitas nos aponte soluções diplomáticas para dar agilidade a esse processo, para que o caminhoneiro não continue exposto às más condições de alimentação e saúde", diz o diretor da CNTTL, Carlos Alberto Litti Dahmer. "Somos a favor do controle e de colocar a saúde em primeiro lugar, mas por causa da pandemia está sendo criado um segundo problema".

 

A coluna procurou a embaixada do Chile no Brasil, com questionamento sobre quais providências estão sendo tomadas para achar uma solução, mas não teve resposta.

 

 

Siga o Portal On Truck nas redes sociais. Estamos no FacebookInstagram e Linkedin. Acompanhe também os nossos vídeos em nosso Canal no Youtube e receba as notícias diárias em nosso Grupo de WhatsApp.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários