Sexta, 20 de Maio de 2022
Negócios Parados

Bolívia faz PCR em caminhoneiros parados na fronteira após acordo com o Chile

Caminhões fazem fila na rodovia Patacamya-Tambo Quemado, na fronteira entre a Bolívia e o Chile, enquanto os motoristas aguardam para fazer testes para a covid-19

28/01/2022 às 08h56 Atualizada em 06/03/2022 às 14h12
Por: Redação Fonte: Yahoo
Compartilhe:
Foto: Reprodução Internet
Foto: Reprodução Internet

A Bolívia começou a aplicar nesta quinta-feira (27) testes PCR em cerca de 2.000 caminhoneiros bloqueados na fronteira com o Chile, onde eles aguardam até cinco dias pela testagem obrigatória contra a covid-19, exigida pelas autoridades chilenas, após um acordo entre os dois países.

 

"Temos previsto o início da coleta de amostras neste ponto para depois transladar as mesmas para a cidade de La Paz (...) e em seguida realizar o intercâmbio de resultados" com o Chile, explicou a diretora do Instituto Nacional de Laboratórios de Saúde (Inlasa), Evelín Fortún.

 

Uma fila de mais de 40 km se estende há semanas na passagem rodoviária de Tambo Quemado-Pasó Chungará, que liga o sudoeste da Bolívia ao norte do Chile.

 

Isto se deve a atrasos nos kits de exames com os quais o país vizinho testa os caminhoneiros bolivianos antes de permitir sua entrada.

 

O recrudescimento dos controles com a chegada da variante ômicron e alguns casos positivos entre funcionários da alfândega chilena são a principal causa da demora.

 

Com a nova medida, espera-se examinar 300 trabalhadores por dia. No entanto, os caminhoneiros o consideram insuficiente porque, segundo suas próprias cifras, mil caminhões cruzam diariamente esta passagem fronteiriça.

 

A espera gera prejuízos milionários para a Bolívia, que não tem saída para o mar e depende dos países vizinhos para garantir o comércio marítimo através do Oceano Pacífico.

 

"Existem cálculos de que por dia não circulado por este ponto fronteiriço, tem-se uma perda de cerca de 10 milhões de dólares", disse o vice-ministro de Comércio Exterior e Integração, Benjamín Blanco, entrevistado pela TV estatal na terça-feira.

 

Os caminhoneiros enfrentam problemas para cruzar a fronteira com o Chile desde novembro, quando o país deixou de aceitar os testes anticovid apresentados por constatar que alguns falsificavam o documento.

 

Desde então, os caminhoneiros são obrigados a se submeter aos testes na fronteira.

 

Demoras similares ocorreram na fronteira entre Argentina e Chile, onde cerca de 2.000 caminhões precisaram aguardar dias para cruzar por causa do aumento dos controles sanitários do lado chileno.

 

 

Siga o Portal On Truck nas redes sociais. Estamos no FacebookInstagram e Linkedin. Acompanhe também os nossos vídeos em nosso Canal no Youtube e receba as notícias diárias em nosso Grupo de WhatsApp.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários