Quarta, 25 de Maio de 2022
Política Protestos

Protestos de caminhoneiros no Canadá contra passaporte de vacina levam a estado de emergência: entenda

Os protestos contra as restrições da covid-19 liderados por caminhoneiros no Canadá já duram duas semanas e passam a causar mudanças importantes

12/02/2022 às 11h45 Atualizada em 12/02/2022 às 11h55
Por: Redação Fonte: BBC
Compartilhe:
Foto: Reprodução Internet
Foto: Reprodução Internet

Na noite de sexta, um juiz da Corte Superior de Justiça de Ontário determinou o desbloqueio de ponte Ambassador, uma importante via para o comércio EUA-Canadá. A liminar foi concedida em uma ação impetrada pela cidade de Windsor e pela associação de fabricantes de peças automotivas local. As partes argumentaram que estavam perdendo até US$ 39 milhões (R$ 205 milhões) por dia por causa dos bloqueios.

 

As manifestações começaram no final do mês passado no centro da capital, onde permanecem cerca de 400 caminhões.

 

Apesar de cerca de 90% dos 120 mil caminhoneiros que cruzam as fronteiras do Canadá já estarem vacinados, a manifestação dos motoristas, chamada de "Comboio da Liberdade", cresceu e foi além do apelo para acabar com a exigência do passaporte vacinal especificamente nas fronteiras. Muitos clamam pelo fim da necessidade de mostrar esse documento em todo o país.

 

O passaporte da vacina foi introduzido pelo governo em 15 de janeiro. A regra exige que os caminhoneiros canadenses não vacinados fiquem em quarentena assim que cruzem a fronteira de volta para casa.

 

Golpe na combalida indústria automobilística

 

Duas das maiores montadoras do mundo, Ford e Toyota, dizem que a produção está sendo interrompida pelos protestos. De acordo com seus representantes, as fábricas foram forçadas a fechar porque peças de carros estão sendo retidas em dois pontos de fronteira dos EUA.

 

Do outro lado da fronteira, a General Motors disse que foi forçada a cancelar dois turnos de produção em uma fábrica em Michigan (EUA), onde fabrica veículos utilitários esportivos.

 

 

As paralisações são mais um golpe para a indústria automobilística, que já enfrentava uma escassez global de chips semicondutores devido aos efeitos econômicos da pandemia.

 

De acordo com o primeiro-ministro de Ontário, Doug Ford, o bloqueio de infraestrutura crucial é "ilegal" e os manifestantes podem enfrentar até um ano de prisão e US$ 100 mil em multas.

 

Em uma coletiva de imprensa na sexta-feira, Ford disse que a ordem se aplicará a qualquer pessoa que impeça o movimento de mercadorias, pessoas e serviços ao longo de passagens internacionais de fronteira, aeroportos, portos e grandes rodovias.

 

A província também fornecerá autoridade adicional para que as licenças pessoais e comerciais dos manifestantes que não cumpram possam ser canceladas. "Haverá consequências, e elas serão severas", disse ele.

 

Na quinta-feira (10), os secretários de Segurança Interna e Transportes dos EUA "estimularam os colegas canadenses a usar os poderes federais para resolver esta situação em nossa fronteira conjunta e oferecendo todo o apoio de nossos departamentos de Segurança Interna e Transportes", de acordo com um funcionário da Casa Branca.

 

Como muitos países, o Canadá está lidando com o aumento da inflação e uma cadeia de suprimentos já tensa pela pandemia, escassez de mão de obra e condições climáticas.

 

Os preços estão em alta, inclusive para alimentos e gasolina. Encontrar alguns produtos nas prateleiras dos supermercados também está ficando cada vez mais difícil - e a economia do Canadá depende fortemente dos homens e mulheres que conduzem a grande maioria dos alimentos e bens consumidos no país através da fronteira.

 

Milhares de manifestantes se juntaram aos motoristas no centro da capital. O movimento também recebeu o apoio de alguns políticos da ala conservadora.

 

De acordo com a polícia local, as autoridades iniciaram investigações após o registro de várias ocorrências, incluindo o aparecimento de bandeiras com a suástica e imagens de uma mulher dançando no túmulo do soldado desconhecido, um monumento que homenageia os combatentes canadenses que participaram de guerras no passado.

 

Imagens nas redes sociais e divulgadas pela imprensa mostram as longas filas de caminhões aplaudidos por pessoas reunidas nas estradas e viadutos, muitas vezes acenando com bandeiras canadenses e placas com críticas ao primeiro-ministro do país, Justin Trudeau.

 

 

Os caminhoneiros pediram doações de apoiadores arrecadaram mais de US$ 8 milhões por meio da plataforma online GiveSendGo, depois de serem expulsos do GoFundMe por supostamente violar sua política de assédio. No entanto, um tribunal de Ontário impediu que manifestantes acessassem doações online.

 

Trudeau, por sua vez, declarou nesta sexta-feira que é "hora" dos manifestantes "irem para casa".

 

"Se você está se juntando aos protestos porque está cansado da covid, precisa entender que você está violando as leis. As consequências estão ficando mais e mais severas", disse o primeiro-ministro. "Você não quer acabar perdendo sua licença, terminando com uma ocorrência criminal, o que vai impactar seu trabalho, seu sustento, sua possibilidade de ir para o exterior, incluindo os Estados Unidos."

 

O líder do partido Liberal acrescentou: "Estamos distantes de precisar chamar os militares, embora é claro que devamos estar prontos para qualquer eventualidade."

 

 

Siga o Portal On Truck nas redes sociais. Estamos no FacebookInstagram e Linkedin. Acompanhe também os nossos vídeos em nosso Canal no Youtube e receba as notícias diárias em nosso Grupo de WhatsApp.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários