Terça, 24 de Maio de 2022
Artigos Saiba Mais

Conheça o TWI: o nome técnico para o popular “pneu careca”

Nada mais é do que um padrão universal para toda indústria de pneu

21/03/2022 às 11h40 Atualizada em 21/03/2022 às 14h34
Por: Redação Fonte: Redação
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Fala, pessoal! Beleza?

 

Estamos aqui hoje com mais um assunto sobre o universo das estradas!

 

E trouxemos mais um artigo sobre a saúde do seu pneu. Você sabe identificar quando eles estão carecas? Você sabe o nome técnico para isso?

 

É o TWI!

 

Ficou curioso? Então, bora lá saber mais?

 

• Compartilhe esse artigo no WhatsApp

• Compartilhe esse artigo no Telegram

 

Aqui você encontra:

 

O que é o TWI?

 

TWI é uma sigla técnica que abrevia o termo Tread Wear Indicator. Quando traduzimos para o português, essa expressão remete ao Índice de Desgaste da Banda de Rodagem, ou seja, um indicador direto da durabilidade dos seus pneus.

 

Em termos técnicos, o TWI é importante por se tratar de um padrão universal para toda a indústria, estando presente tanto nos pneus nacionais quanto nos importados — e não pense que se trata de uma tecnologia estranha ou complicada! Na realidade, foi justamente a sua simplicidade que o fez ser adotado.

 

O TWI é um ressalto que estará posicionado em um dos sulcos da banda de rodagem, como se fosse uma pequena lombada de borracha. 

 

Como funciona o TWI

 

Por padrão, o TWI é um ressalto com 1,6 mm de altura. Por conta disso, é normal que, em pneus em boas condições, ele seja mais baixo que as demais superfícies da banda de rodagem, de modo que não chegue a tocar o asfalto.

 

No entanto, quando os pneus estão gastos a ponto de serem substituídos, o primeiro sintoma aparece no TWI, que, agora, passa a tocar o solo, pois as bandas de rodagem se desgastaram a ponto de apresentar uma altura menor ou igual àquela do ressalto do indicador.

 

Você entendeu até aqui que o TWI é o popular “pneu careca”!

 

E trata-se de um sistema simples, adotado por todas as fabricantes do mercado e que oferece um diagnóstico rápido e fácil para o proprietário. O importante é entender a implicação de cada resultado. Basicamente, quando o TWI encosta no solo, isso indica que é hora de comprar novos pneus!

 

4 pontos de como identificar se o TWI do pneu está em boas condições

 

Identifique um desses pontos no seu pneu e veja se está precisando trocá-los!

 

1- Saliência: use os dedos, você pode sentir a altura do ressalto em relação às superfícies que ficam ao lado. Se a saliência for igual ou maior que a banda de rodagem, o TWI está tocando no solo e, portanto, os pneus não estão em boas condições.

 

2- Caneta: pegue uma caneta e faça um traço sobre a saliência, como se fosse uma ponte entre duas bandas de rodagem. Se a caneta passar direto, sem nenhum desnível, é hora de trocar o pneu. Caso a caneta faça um mergulho durante a travessia, o ressalto ainda é menor que a banda e o pneu segue em boas condições.

 

3- Moeda: esse teste sugere posicionar a moeda em um dos sulcos do pneu. Caso a moldura dourada não seja encoberta pelo sulco, o pneu precisa ser trocado.

 

4- Palito de fósforo: a cabeça dos palitos de fósforo conta com precisamente 1,6 mm de altura. Então, basta posicionar um fósforo de cabeça para baixo nos sulcos do pneu. Caso o fósforo esteja acima dos sulcos laterais, o pneu deve ser trocado.

 

Quais os riscos e as desvantagens de rodar com pneus irregulares?

 

Agora que você conhece todos os métodos oficiais e paralelos para identificar as condições dos seus pneus, chegou o momento de entender as consequências de ignorar esse indicador de desgaste. Veja!

 

Conforto: é percebido uma queda drástica no conforto durante a condução, independentemente do tipo de veículo que você pilota. Isso acontece porque o desgaste nem sempre surge de maneira equilibrada por todo o pneu, costumando se concentrar em apenas um dos lados.

 

Dirigibilidade: você também passa a notar certa irregularidade na condução, como quando o veículo puxa para um dos lados. No longo prazo, a permanência desse quadro provocará a sobrecarga desigual em alguns dos componentes, aumentando os seus custos de manutenção.

 

Segurança: com o avanço do desgaste, os pneus se tornam cada vez mais impróprios e inseguros a cada quilômetro rodado, não oferecendo a mesma aderência e responsividade de antes. Nesse estágio, você passa a colocar a própria segurança em risco, assim como a dos demais ocupantes do seu veículo.  Um exemplo clássico da ineficiência de pneus gastos tende a acontecer sobre aquaplanagens. Como as bandas estão gastas e os sulcos não têm profundidade, o componente não consegue escoar o líquido, fazendo com que o veículo deslize sobre uma lâmina de água, perdendo o contato com o asfalto.

 

Manutenção: por fim, a alta dos custos de manutenção. No fim do dia, não importa o tipo de pneu que equipou o seu carro, mas importam os cuidados periódicos que você ofereceu ao veículo. É nesse sentido que sempre frisamos a importância de haver procedimentos preventivos, como a calibragem a cada duas semanas e a própria inspeção do TWI.

 

Com esse cuidado próximo e contínuo, você garante que o veículo estará sempre em boas condições operacionais de rodagem. Caso contrário, o desgaste nos pneus avançará, prejudicando sistemas paralelos, como os componentes da suspensão, direção e afins, onerando os seus custos de manutenção no longo prazo.

 

Envie este artigo para os grupos de Zap e Facebook da rapaziada!

 

Até a próxima!

 

Receba as notícias e vagas diárias em nosso Canal no Telegram [CLIQUE AQUI]

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários