Sábado, 21 de Maio de 2022
Artigos Saiba Mais

Tudo o que você precisa saber sobre as embalagens

Elas não são itens superficiais e precisam da sua atenção!

12/04/2022 às 09h57
Por: Redação Fonte: Redação
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Fala, pessoal! Beleza?

 

Estamos aqui hoje com mais um assunto sobre o universo das estradas!

 

As embalagens não são meros itens superficiais. Elas são importantes para manter os produtos e mercadorias em todo o país e, assim, chegar ao consumidor final inteiramente intacto.

 

E aí que vem o desafio: como embalar produtos líquidos? Como manter os alimentos perfeitos ao consumo? Quais tipos de embalagens são necessárias para cada produto?

 

Outro ponto, mas esse diretamente aos gestores e empresários, são para dar uma boa impressão da empresa.

 

• Compartilhe esse artigo no WhatsApp

• Compartilhe esse artigo no Telegram

 

E é por isso que decidimos trazer este assunto para você!

 

Ficou curioso? Então, bora lá saber mais?

 

Aqui você encontra:

 

A embalagem e o diferencial logístico

 

As embalagens são necessárias para que os produtos cheguem aos consumidores protegidos e/ou conservados o mais perfeito possível. Saber em quais e onde embalar produtos é necessário por uma série de questões.

 

Se for uma mercadoria perecível, por exemplo, deverá ser armazenado em um material que suporte o tempo de deslocamento (lembrando do tamanho continental de nosso país, você bem percebe que isso é um fator de extrema importância).

 

Os profissionais das estradas, por outro lado, que são encarregados da tarefa de levar aos clientes e às casas dos compradores, precisam saber sobre isso para lidar melhor com as mercadorias. O que também ajuda como diferencial entre os contratantes. Afinal, todo zelo faz diferença, não é mesmo?

 

Já para os gestores e empresários interessados em passar uma boa imagem da empresa, a escolha da embalagem na logística deve ser bem pensada, e também equilibrar vários fatores para garantir um bom custo-benefício para a operação. Com o investimento adequado, é possível demonstrar cuidado com os produtos e, ao mesmo tempo, conquistar a satisfação dos clientes.

 

Forma X Função: a essência das embalagens

 

Todo produto é embalado de alguma forma e, com raras exceções, como os vendidos a granel, as embalagens são pensadas para além de proteger e facilitar o transporte do produto.

 

Atrair consumidores, seja pela mensagem que a marca deseja passar, por seu design, possibilidade de reutilização e reciclagem, é também funções de uma embalagem.

 

Estas são as embalagens primárias e secundárias, que têm como principal objetivo proteger o produto e se “relacionar” com o consumidor, atraindo sua atenção e oferecendo motivos para que seja o escolhido nas prateleiras.

 

Um bom exemplo de embalagens primárias são os papéis que envolvem os bombons, enquanto as secundárias são suas caixas.

 

Porém, a proteção e transporte pensados para pequenas quantidades não dão conta da segurança e integridade dos produtos. Quando se pensa em armazenamento e transporte de cargas, que envolvem grandes quantidades e diversos pontos de entrega, assim como processos logísticos complexos e com alto potencial de danificar tanto embalagens quanto o produto.

 

Nestes casos é preciso entender além da entrega ao consumidor final, e pensar em toda a logística envolvida nestes tipos de transporte, o que acarreta em diferentes tipos de embalagens para cada parte deste processo.

 

7 tipos de embalagens

 

Quais os tipos de embalagens que existem? Do que são compostas? Para que cada uma é utilizada? Essa e outras questões é o que você verá logo abaixo! Acompanhe!

 

1. Papel e papelão: esses tipos de embalagens são utilizados pelos mais variados setores da indústria pelo fato de ocuparem pouco espaço de armazenamento e serem leves. Contudo, são limitados a pequenos pacotes. Para resistirem à água, diversas técnicas foram desenvolvidas para melhorar o material. Por isso, é muito comum que embalagens de papel sejam usadas no setor alimentício. Vale mencionar, ainda, que essa matéria-prima é 100% reciclável e biodegradável.

 

2. Plástico: as embalagens plásticas são segmentadas em inflexíveis e flexíveis, tendo como principal característica o fato de poderem ser moldadas em diversos tamanhos e formatos. Entre os exemplos mais comuns, podemos citar:

 

- Sacolas;

- Sacos;

- Tubos;

- Paletes (estrados);

- Envelopes plásticos;

- Filmes;

- Galões;

- Engradados;

- Frascos.

 

Há diversas composições para os tipos de embalagens plásticas, como poliestireno, polipropileno, policloreto de vinila (o famoso PVC), polietileno de alta densidade (PEAD) e polietileno (usado na tradicional garrafa PET para embalar bebidas).

 

3. Madeira: Essas embalagens têm diversas utilizações, como armazenamento, transporte e distribuição de diferentes tipos de produtos (em geral, mais pesados e em quantidades maiores). Também podem ser classificadas em vários modelos conforme a sua montagem. Entre os tipos mais utilizados para transportar cargas, estão:

 

- Paletes;

- Caixas;

- Bobinas;

- Barris de madeira;

- Contentores palete.

 

4. Vidro: são ótimas alternativas para o transporte de líquidos ou mercadorias pastosas e úmidas, que exijam que o conteúdo seja exposto para os clientes e fiscais. É uma excelente opção de armazenamento para produtos que não interagem bem com plásticos. Infelizmente, é um dos tipos de embalagens mais poluentes que existem, já que leva, em média, quatro mil anos para se decompor.

 

5. Alumínio: uma de suas grandes vantagens é que esse material é um ótimo conservador de itens que precisam de proteção contra umidade, odor, luz e ferrugem. A embalagem de alumínio é muito indicada para o aquecimento ou resfriamento do conteúdo, por isso, é amplamente usada na indústria alimentícia e por laboratórios farmacêuticos. Mas não é indicado por marcas eco friendly (sustentáveis), já que a sua produção deriva de um mineral que causa altos níveis de poluição durante a extração da bauxita.

 

6. Isopor: outro tipo de embalagem comumente utilizado no setor industrial por conta de suas vantagens que beneficiam tanto o armazenamento quanto o transporte de alimentos frescos. No ramo de fast food e serviços de entrega de alimentos, o isopor é um dos protagonistas, pois é leve e ajuda a manter a temperatura dos alimentos.

 

Porém, é apreciado apenas por ser funcional do ponto de vista logístico, já que não tem utilidade para o marketing (as impressões são prejudicadas nesse material) e sua reciclagem é cara.

 

7. Laminada: trata-se dos tipos de embalagens que são feitas a partir da união de dois ou mais materiais. Por exemplo, quando há uma parte metalizada com adesivo, uma película de polipropileno e BOPP transparente. Difícil entender o que isso significa? Pois bem, é apenas uma embalagem de salgadinho, mas que também é amplamente utilizada para embalar outros alimentos que exigem mais cuidado para serem preservados, como café, leite em pó, biscoitos, entre outros.

 

Os tipos de embalagens logísticas

 

O nosso foco agora é te mostrar as classificações das embalagens!

 

Embalagens terciárias: sua principal função é o armazenamento e transporte de um volume maior de produtos. Geralmente feitas de papelão, madeira ou plástico, dependendo do que armazena, servem como proteção para que as embalagens primárias e secundárias mantenham sua integridade.

 

Embalagens quaternárias: são o que se chama de facilitadoras de movimentação, uma vez que concentram um grande número de unidades, tornando mais fácil sua realocação dentro de um mesmo ambiente, ou mesmo o transporte de um local ao outro. Pallets são um bom exemplo deste tipo de embalagem, apesar de serem abertos.

 

Embalagens de 5º nível: utilizadas para transportes de longa distância e grandes volumes são, geralmente, os containers, que também podem ser utilizados como locais de armazenamento fixo, como extensões de depósitos.

 

Erros da hora de escolher a embalagem para transportes

 

Destacamos alguns pontos importantes que merecem atenção na hora de escolher a embalagem para transportar cargas. Acompanhe:

 

Falta de qualificação e preparo da equipe: os funcionários precisam conhecer não apenas as práticas corretas, mas também a composição dos materiais e como se comportam durante o transporte e a manipulação;

Falta de utilização de equipamentos adequados: hoje podemos contar com tecnologias de transporte, máquinas e equipamentos que facilitam toda a cadeia logística, tornando-a mais dinâmica, segura e ágil;

 

Logística inadequada: a escolha da embalagem deve estar integrada à alternativa de transporte contratada, já que a mercadoria não pode sofrer danos durante o trajeto;

 

Armazenagem e manipulação inapropriadas: quando ocorrem falhas nesses processos, as mercadorias sofrem perdas irremediáveis, resultando em prejuízos à receita;

 

Negligência às normas e aos requisitos legais: existem diversas normas regulamentadoras para o transporte de produtos, assim como para o manuseio e o armazenamento. Porém, muitos gestores, por não conhecerem as regras, acabam violando leis e podem pagar multas ou até mesmo ter os produtos confiscados.

 

3 importantes pontos da embalagem na logística

 

1- No armazenamento: as embalagens ajudam no estoque e movimentação dos produtos no armazém, protegendo-os de avarias que podem ocorrer internamente. É importante observar a capacidade e a possibilidade de empilhamento.

 

2- Na movimentação e manuseio: embalagens precisam ser resistentes e oferecer fácil manuseio para otimizar a movimentação nas várias etapas do

processo logístico.

 

3- No transporte: no transporte, a embalagem deve ser pensada de forma a aproveitar o espaço dentro do veículo da melhor forma, além de proteger os produtos durante o percurso.

 

4 cuidados na escolha da embalagem

 

Adequação ao produto: devem ser pensadas de forma a aproveitar o espaço, ao mesmo tempo em que são fortes para proteger os produtos. Isso quer dizer que elas não podem ser nem justas demais (correndo o risco de rasgar) e nem largas demais (deixando o item solto e sujeito a avarias).

 

Impacto ambiental: a sustentabilidade é uma prática cada vez mais cobrada. O ideal é apostar em materiais recicláveis, retornáveis ou reaproveitáveis.

 

Custos de embalagem: é preciso equilibrar a qualidade da embalagem com um custo satisfatório — visando não tornar a operação demasiadamente cara —, ao mesmo tempo em que se combina a resistência com o peso, que não pode ser alto, já que isso afeta o preço do frete.

 

Certificação: avaliar se a embalagem tem certificação do Inmetro é indispensável. Por meio dela, tem-se a garantia de que a embalagem é capaz de proteger as mercadorias de possíveis danos.

 

A embalagem como diferencial logístico

 

Quando há investimento em embalagens inovadoras e diferenciadas, aumentam-se as chances de ir além das expectativas do cliente, oferecendo algo a mais — prática chamada de overdelivering. Um bom exemplo disso são algumas empresas do ramo de cosméticos que utilizam embalagens de vidro e outros materiais que podem ser reutilizados como uma caneca, por exemplo,  depois que o produto acabar.

 

A escolha da embalagem na logística deve ser bem pensada, e também equilibrar vários fatores para garantir um bom custo-benefício para a operação. Com o investimento adequado, é possível demonstrar cuidado com os produtos e, ao mesmo tempo, conquistar a satisfação dos clientes.

 

Gostou do nosso conteúdo? 

 

Compartilhe nos grupos de Zap e Facebook da rapaziada!

 

Até a próxima!

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários