Domingo, 29 de Maio de 2022
Negócios Afetada

Guerra na Ucrânia e variante Ômicron afetam a carga aérea

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA - International Air Transport Association) divulgou os resultados dos mercados globais de transporte aéreo de carga de março de 2022

04/05/2022 às 10h38
Por: Redação Fonte: Iata
Compartilhe:
Foto: Reprodução Internet
Foto: Reprodução Internet

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA - International Air Transport Association) divulgou os resultados dos mercados globais de transporte aéreo de carga de março de 2022, que mostraram queda da demanda. Os efeitos da variante Ômicron na Ásia, o conflito Rússia-Ucrânia e um cenário operacional com desafios contribuíram para esse declínio.
 

Nota: Voltamos às comparações de tráfego ano a ano, no lugar das comparações com o período de 2019, a não ser que especificado de outra forma. A demanda de transporte aéreo de carga está abaixo dos níveis pré-COVID-19 e a capacidade continua restrita.

 

  • A demanda global, medida em toneladas de carga por quilômetro (CTKs*), caiu 5,2% em relação a março de 2021 (-5,4% para operações internacionais).
     
  • A capacidade ficou 1,2% acima de março de 2021 (+2.6% para operações internacionais). Embora positivo, esse número representa um declínio significativo em relação ao aumento de 11,2% registrado em fevereiro de 2022 versus fevereiro de 2021. A Ásia e a Europa apresentaram as maiores quedas de capacidade.
     
  • Vários fatores no ambiente operacional devem ser observados:
    • A guerra na Ucrânia causou queda na capacidade de transporte de carga que serve a Europa, pois várias companhias aéreas importantes para o transporte de carga são da Rússia e Ucrânia. Sanções contra a Rússia causaram interrupções na manufatura. E o aumento dos preços do petróleo está causando um impacto econômico negativo, incluindo aumento dos custos de transporte.
       
    • Os novos pedidos de exportação, um indicador importante da demanda de carga, estão diminuindo em todos os mercados, exceto nos Estados Unidos. O PMI, índice que mede a atividade econômica do setor de manufatura, que acompanha os novos pedidos de exportação, caiu para 48,2 em março, o menor desde julho de 2020.
       
    • O comércio global de produtos continuou caindo em 2022, com a economia da China apresentando crescimento mais lento devido aos fechamentos relacionados à COVID-19 (entre outros fatores); e as interrupções na cadeia de suprimentos aumentaram com a guerra na Ucrânia.
       
    • A inflação geral de preços ao consumidor nos países do G7 foi de 6,3% em fevereiro de 2022 versus fevereiro de 2021, a maior desde 1982.

 

“Os mercados de carga aérea refletem os desenvolvimentos econômicos globais. Em março, o ambiente comercial piorou. A combinação da guerra na Ucrânia e a disseminação da variante Ômicron na Ásia elevaram os custos de energia, agravaram as interrupções na cadeia de suprimentos e aumentaram a pressão da inflação. Com isso, em comparação com um ano atrás, menos mercadorias são enviadas, inclusive por via aérea. A paz na Ucrânia e mudanças na política de COVID-19 da China aliviariam muito a situação desfavorável do setor. Como nenhuma delas parece provável no curto prazo, podemos esperar mais desafios para a carga aérea, enquanto os mercados de passageiros aceleram a sua recuperação”, disse Willie Walsh, diretor geral da IATA.

 

 

 

Desempenho por região em março de 2022

 

As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico relataram queda de 5,1% nos volumes de carga aérea em março de 2022 em comparação com o mesmo mês de 2021. A capacidade disponível na região caiu 6,4% em relação a março de 2021, a maior queda entre todas as regiões. A política de tolerância zero contra a COVID-19 na China continental e em Hong Kong está causando impacto negativo no desempenho.

 

 

As transportadoras da América do Norte registraram queda de 0,7% nos volumes de carga aérea em março de 2022 em relação a março de 2021. A demanda no mercado Ásia-América do Norte diminuiu significativamente, e os volumes com ajuste sazonal tiveram queda de 9,2% em março. A capacidade aumentou 6,7% em relação a março de 2021.

 

As transportadoras da Europa relataram queda de 11,1% nos volumes de carga aérea em março de 2022 em comparação com o mesmo mês de 2021, a queda mais acentuada entre todas as regiões. O mercado dentro da Europa teve queda significativa de 19,7% em relação a fevereiro. Esse declínio se deve à guerra na Ucrânia. A escassez de mão de obra e a menor atividade de manufatura na Ásia devido à variante Ômicron também afetaram a demanda. A capacidade caiu 4,9% em março de 2022 em relação a março de 2021

 

As transportadoras do Oriente Médio registraram queda 9,7% nos volumes de carga aérea em março de 2022 versus março de 2021. Os benefícios significativos do redirecionamento do tráfego para não sobrevoar a Rússia não se materializaram. Isso provavelmente se deve à demanda moderada em geral. A capacidade aumentou 5,3% em relação a março de 2021.

 

As transportadoras da América Latina relataram aumento de 22,1% nos volumes de carga aérea em março de 2022 em relação ao mesmo mês de 2021. Este foi o melhor resultado entre todas as regiões. Algumas das maiores companhias aéreas da região estão se beneficiando do fim da proteção contra falência. A capacidade em março aumentou 34,9% em relação ao mesmo mês de 2021

 

As companhias aéreas da África registraram aumento de 3,1% nos volumes de carga aérea em março de 2022 versus março de 2021. A capacidade ficou 8,7% acima dos níveis de março de 2021.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários